Sessão de lançamento do livro  "Centros Históricos Portugueses"

 

press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom

José Miguel Noras apresenta “Centros Históricos Portugueses”

 

 

 

Os oradores que intervieram durante a sessão pública de apresentação do livro “Centros Históricos Portugueses”, em Lamego, foram unânimes em enaltecer a “nova consciência” dos municípios portugueses quanto à relevância da salvaguarda do património. Uma atitude que resulta de um processo lento, nascido nas décadas de 70 e 80, e que ganhou um novo impulso com a criação da Associação Portuguesa dos Municípios com Centro Histórico (APMCH), a cujas atividades José Miguel Noras, autor desta obra, dedicou parte da sua vida. “A par do historial da respetiva Associação e da necessidade de reaproximar os centros históricos portugueses dentro e fora do nosso país, os exemplos de boas práticas, laureados com o Prémio de Arquitetura “Alexandre Herculano”, presidiram à decisão de escrever e de divulgar esta obra, na certeza de que cada centro histórico não é somente uma área edificada onde pontuam valores que importa preservar”, explica.Antigo vereador da Câmara Municipal de Lamego e Cidadão Honorário desta cidade desde 2008, José Miguel Noras sublinha que “Centros Históricos Portugueses” é “fruto de um amor eterno”, tendo dedicado estas páginas à memória da sua única irmã. Defende que os centros históricos são o centro da personalidade e da autenticidade das cidades: “Se entendermos o centro histórico no seu sentido mais lato, humano e cultural, isto é, se não o considerarmos na sua dimensão exclusivamente física, não será nenhum atrevimento referir que essa riqueza e essa diversidade constituem o ADN de Portugal”.Ao seu lado, convidado a apresentar o novo livro esteve Marcelo Rebelo de Sousa, Conselheiro de Estado e popular comentador da TVI, que elogiou o trabalho desenvolvido pelo poder local na requalificação dos centros históricos portugueses. Sobre José Miguel Noras, o também Presidente da Fundação da Casa de Bragança destacou que “este Homem é grande de mais para o país, para alguma pequenez nacional. Ele olha para o longo prazo”. E desafiou a APMCH a “abraçar uma nova tarefa: olhar para a juventude. Há jovens que estão nas academias a trabalhar neste domínio”. Perante várias dezenas de convidados, Rebelo de Sousa mostrou-se ainda um profundo conhecedor da milenar História do concelho de Lamego. “Estar aqui é estar no centro da nossa História”, garante.

Os autarcas de Lamego e Ponte de Lima, Francisco Lopes e Vítor Mendes, também exaltaram o exemplo de cidadania que José Miguel Noras demonstrou no desempenho de vários cargos e o papel que assume na defesa do saber e da identidade patrimonial e histórica do nosso país.Sob a chancela da APMCH, o livro “Centros Históricos Portugueses” destaca a cidade de Lamego, recordando os primórdios da Associação, aqui fundada em 22 de julho de 1988, quando a autarquia era presidida por António Ferreira.

 

Fonte: Página Oficial da Câmara Municipal de Lamego